EPB ENGENHARIA

NR 7
25
mar 21
NR23 – Inspeções em Sistemas de Combate a Incêndio
  • 25 de março de 2021
  • EPB ENGENHARIA

INSPEÇÕES DO SISTEMA HIDRÁULICOS DE COMBATE A INCÊNDIO

NFPA-25 e NBR 12779
A NFPA-25 “Inspeção, Teste e Manutenção em Sistemas Hidráulicos de Proteção Contra Incêndio” regula e estabelece os parâmetros mínimos para inspeções periódicas dos sistemas  hidráulicos de proteção contra incêndios.
Dentre os vários itens a serem inspecionados, um deles é o teste de vazão no ponto mais desfavorável devendo-se confrontar o resultado com as condições originais de projeto (vide postagem laudo de Inspeção pressão e vasão com cálculo de curva de bomba método tubo de pitot)
Para o atendimento integral à NFPA-25 no que se refere a hidrantes, além do teste de vazão no ponto mais desfavorável, outros parâmetros devem ser avaliados, tais como:
• Válvulas Controladoras;
• Tubulação;
• Conexões de mangueiras;
• Abrigos de mangueiras;
• Dispositivos de Alarme;
• Esguichos;
Rede de Hidrantes
O sistema de hidrantes e de mangotinhos é considerado um sistema fixo de combate a incêndio, funcionando sob comando, liberando um jato de água sobre o foco de incêndio.
Esse jato de água possui uma vazão calculada e compatível ao risco do local visando proteger, controlar ou extinguir o foco de incêndio no seu estágio inicial. Dessa forma, esse sistema possibilita o início do combate ao incêndio pelos usuários da edificação antes da chegada do grupamento do Corpo de Bombeiros.
Os hidrantes em edificações e áreas de risco diferem dos sistemas de hidrantes urbanos em relação a forma de abastecimento de água. Os sistemas urbanos apresentam pontos providos de registros e uniões de engate rápido, ligado a rede pública de abastecimento, podendo ser de coluna ou subterrâneo, enquanto que os sistemas prediais apresentam pontos de tomada com registros e uniões de engate rápido, magueiras, esguichos e chave storz onde está ligado ao reservatório de água da edificação e não na rede pública.
Para melhor desempenho do sistema é essencial que os usuários estejam familiarizados com o equipamento, confiantes e que tenham realizado treinamento teórico e prático de brigada para utilizá-lo na ocorrência de um sinistro.
Classificação dos Sistemas
Os sistemas de hidrantes de mangotinhos e mangueiras, geralmente são classificados de acordo com o tipo de esguicho utilizado (compacto ou regulável), diâmetro e comprimento máximo da mangueira, número de saídas e vazão no hidrante ou mangotinho menos favorável. Cada tipo é aplicado em função da ocupação e uso da edificação.
Os sistemas variam de acordo com a norma técnica ou regulamento adotado no local de execução do sistema de proteção e combate a incêndio.
Os sistemas poderão, ainda, ser diferenciados quanto:
1. ao tipo de sistema de reserva: elevado, nível do solo, semi-enterrado ou enterrado;
2. a fonte de energia: ligação independente ou por gerador automatizado;
3. ao tipo de sistema de comando: manual (botoeira de acionamento) ou automático (chave de fluxo ou pressostatos);
4. aos tipos de bombas empregadas: bomba principal, bomba auxiliar, bomba de reforço e bomba de escorva.
5. as características do reservatório: concreto armado, fibra, metálico, utilização de piscinas ou reservas naturais.
6. ao material da tubulação: aço, cobre e termopláticos;
7. as características do sistema de distribuição: interno ou externo a edificação;
8. ao tipo de rede de tubulação: rede aberta (sistema ramificado), rede fechada (sistema em malha) e rede mista (sistema ramificado e em malha).
A aplicação do sistema a ser instalado deve atender as características da edificação ou área de risco a ser protegida, observando-se as exigências da norma técnica ou regulamento adotado, a viabilidade, a eficácia do sistema, a facilidade de operação e manutenção e o custo.
O sistema de hidrantes e de mangotinhos são organizados em três subsistemas: reserva, pressurização e comando, conforme descritos a seguir.
Sistema de Reserva:
É composto por reservatório, que pode ser do tipo elevado, no nível do solo, semi-enterrado ou enterrado. Tem como principal função reservar um volume de água destinado exclusivamente ao combate de incêndio.
O reservatório de água pode ser construido, na edificação ou área de risco, em concreto armado, metal apropriado ou qualquer outro material que apresente resistência mecânica as intempéries e ao fogo.
A reserva de água deve ser prevista para permitir o primeiro combate, durante um determinado tempo. Após esse tempo considera-se que o Corpo de Bombeiros tenha chegado no local e atue no combate, utilizando-se da rede pública de abastecimento, fontes naturais como açudes, lagos e rios ou com seus veículos especiais munidos de reservatório próprio.
Sistema de Pressurização:
Pode operar de três formas: por gravidade, por bombas ou por tanque de pressão. Esse sistema tem a função de fornecer energia para o transporte da água e ainda atingir o foco de incêndio a uma determinada distância, com vazão e pressão adequada.
O sistema operado por bombas é composto por bomba principal ou bomba de incêndio, bomba de pressurização ou bomba jockey.
A bomba de incêndio tem a finalidade de recalcar a água do reservatório para os hidrantes ou mangotinhos. Deve possuir motor elétrico ou a explosão.
A bomba de pressurização ou bomba jockey tem a função de manter o sistema pressurizado e compensar pequenas perdas de pressão, em uma faixa pré estabelecida.
O sistema operado por tanques de pressão é composto de bomba de incêndio e de tanque de pressão. O tanque de pressão, acoplado a uma bomba, fornecerá pressão e vazão constantes e contínuas ao sistema hidráulico.
A bomba de incêndio acoplada ao tanque de pressão, com diafragma, poderá succionar água de um reservatório tanto acima quanto abaixo (reservatórios, poços etc.) e simultaneamente pressurizar a rede hidráulica.
Sistema de Comando:
O acionamento do sistema de hidrantes e de mangotinhos pode ser manual, por meio de botoeira de comando do tipo liga e desliga ou automático, por meio de chave de fluxo ou de pressostato.
A chave de fluxo aciona o sistema automaticamente pelo deslocamento de água na tubulação, quando da abertura de um hidrante, e o pressostato aciona o sistema devido a uma variação de pressão hidráulica na rede, desta forma acionando a bomba de incêndio.
Sistema de Distribuição:
É composto pela tubulação, os hidrantes e mangotinhos. A tubulação consiste de um conjunto de tubos, conexões e de outros componentes hidráulicos como, por exemplo, válvulas de fechamento e de manobra (gaveta, globo, angulares, etc.) destinados a conduzir a água, desde o reservatório até aos pontos de hidrantes ou de mangotinhos.
Todo e qualquer material previsto ou instalado deve ser capaz de resistir aos efeitos do calor, mantendo o seu funcionamento normal, ou seja, o meio de ligação entre os tubos, conexões e outros componentes devem garantir a estanqueidade e a estabilidade mecânica da junta não devendo sofrer comprometimento em seu desempenho.
Os componentes de materiais termoplásticos, como tubos e conexões, podem ser utilizados somente enterrados e fora da projeção da planta da edificação, atendendo aos requisitos de funcionamento da instalação em termos de resistência a pressão interna e a esforços mecânicos.
Sprinklers – Chuveiros Automáticos
1 Chuveiros automáticos
Os sprinklers podem ser classificados como de cobertura padrão e de cobertura estendida, de acordo com a área de cobertura que abrangem. Os chuveiros de cobertura estendida costumam ser empregados em hotéis, restaurantes, edifícios de escritórios e outras áreas onde é desejável reduzir a quantidade de sprinklers instalados.
Os chuveiros podem se distinguir, ainda, em função de sua velocidade de operação. Há os sprinklers de resposta rápida e os sprinklers de resposta padrão. Há também os equipamentos para aplicações específicas, como armazéns refrigerados e salas frias, chamados sprinklers secos. Em todos esses casos, os chuveiros costumam ser compostos de:
Corpo: parte que contém rosca para fixação na tubulação, braços e orifícios de descarga. Serve como suporte dos demais componentes.
Defletor/Difusor: destinado a quebrar o jato sólido para distribuir a água.
Obturador: destinado à vedação do orifício de descarga nos chuveiros automáticos. Também atua como base para o elemento termossensível.
Elemento termossensível: libera o obturador por efeito da elevação da temperatura de operação, fazendo a água fluir contra o foco do incêndio. Os elementos termossensíveis podem ser do tipo ampola de vidro ou fusíveis de liga metálica.
2 Tubulação
Os tubos que compõem os sistemas de chuveiros automáticos variam de acordo com o tipo de ambiente e a classe de risco de incêndio. Os mais usuais são as tubulações de aço carbono (com ou sem costura) e os tubos de cobre. Também são bastante utilizados os tubos de CPVC (policloreto de vinila clorado) com conexões soldadas, fabricadas em consonância com as NBR 15.647 e 15.648. De rápida execução, esses sistemas são indicados para ocupações de risco leve e sujeitas a pressões de até 1,2 MPa.
3 Sistema de sustentação
O ideal é que a instalação do sistema de chuveiros automáticos ocorra antes das instalações elétricas, do forro e dos acabamentos. Os tubos são sustentados por diferentes tipos de suporte, de acordo com o peso do sistema. Os suportes devem aguentar cinco vezes a massa do tubo cheio d´água mais 100 kg em cada ponto de fixação.
Bombas de Incêndio
A bomba de incêndio é um equipamento utilizado para bombear água com vazão elevada para edificações comerciais, residenciais, industriais entre outros, para atendimento às necessidades de projeto, onde é necessário sabermos qual a vazão e pressão ( MCA ) desejados (também vide postagem de medição de pressão e vasão pelo método tubo de pitot) para a partir destes dados chegarmos ao tipo de bomba, capacidade (CV), precisamos também saber sempre se é trifásica, monofásica, tipo de conexão na sução e recalque, etc.
De acordo com as normas e especificações a bomba de incêndio é um item importantíssimo para termos sucesso no momento do combate a incêndio, esta bomba poderá ser de acordo com a ABNT e neste caso seu painel será do tipo estrela – triângulo e poderá possuir bomba jockey auxiliar com os devidos pressostatos para regulagem de start da bomba ou ambas as bombas.
Para o perfeito funcionamento do sistema de bomba de incêndio é necessário a instalação de válvula de alivio de pressão ou válvula redutora de pressão
A Bomba pode ser elétrica ou com motor a combustão , podendo também possuir chave compensadora para no momento do desligamento da energia elétrica passar automaticamente para o gerador de energia.
Alguns cuidados:
Quando o abastecimento for realizado através da bomba, é preciso possuir ao menos uma bomba elétrica ou de combustão interna, que deve abastecer todo o sistema.É necessário ter alimentação à parte, diretamente da concessionária, porque no momento do incêndio a energia elétrica é cortada para não colocar em risco a vida das pessoas ou edificações envolvidas. A bomba de incêndio pode fazer o bombeamento de água utilizando um motor elétrico, diesel e também pode ter gerador autônomo de energia.Durante a instalação é necessário fazer com que o cabo elétrico passe por locais seguros dentro das edificações, o mais indicado é aterrar os cabos, porque é necessário garantir que eles não sejam danificados em caso de incêndio.Para manter o sistema de hidrantes pressurizado e compensar perdas de pressão, é necessário que seja realizada a instalação de bombas jockey. Há também a bomba centrífuga trifásica, que pode ser utilizada na rede de hidrantes e na rede de sprinklers. Para a rede de sprinklers é preciso que ela seja ligada automaticamente.
Também segundo as normas ABNT, as bombas devem possuir local apropriado ( casa de bombas ), pois precisam estar protegidas para uso em emergências. Por isso é necessário atentar-se a alguns cuidados com a casa de bombas. Como por exemplo, iluminar a casa de bomba, para ter um controle durante seu funcionamento. As luzes que forem instaladas no local devem ser alimentadas por bateria ou estar conectadas ao gerador. Também é importante que a casa de bombas de incêndio seja um local isolado, para que no momento do incêndio se tenha um fácil acesso a ela. E lembre-se sempre de inspecionar as bombas executar teste de funcionamento com certa frequência, para garantir que tudo esteja funcionando perfeitamente.
Além da bomba de incêndio é preciso adquirir outros equipamentos, disponibilizamos: bombas jockey, bombas centrífuga e demais tipos apropriados à sua necessidade. E ainda tem outros acessórios e equipamentos, como painéis, chaves de comando, chaves compensadoras etc.
Eduardo Barrozo Engenheiro industrial mecânico e de segurança do trabalho. Diretor da EPB Engenharia.

Deixe um comentário

ÚLTIMOS POSTS

avcb
Auditoria de segurança do trabalho
Leia Mais
NR12 A implementação é possível com um passo de cada vez. Uma explanação técnica!!!
Leia Mais
Polish 20210603 023316217
Inspeções Industriais em PCVs, Manômetros e Manovacuômetro
Leia Mais
Laudo de Inspeção Predial
Leia Mais
Screenshot 20230203 191155 Google
Laudo SPDA
Leia Mais
b1
Leia Mais
10
Laudo Nr20. Inspeções em áreas de líquidos inflamáveis
Leia Mais
11
Leia Mais
n12 5
Leia Mais
Sistemas de combate à incêndio.
Projeto Sistemas de combate à incêndio.
Leia Mais
Polish 20210603 024426404
Leia Mais
p1
Projetos industriais
Leia Mais
p8
COMO PROJETAR SUA INDÚSTRIA, USINA OU SEDES DE FAZENDAS? SOMOS ESPECIALISTAS EM PROJETOS ESTRUTURAL – METÁLICA, ELETRICA E CIVIL!
Leia Mais
10
Laudos e prontuários nr20
Leia Mais
r14
Projetos e Inspeções em Silos de Armazenagem
Leia Mais
Polish 20210603 024426404
Os 5 itens mais autuados na NR 12
Leia Mais
b1
NR12 A implantação é possível com um passo de cada vez!
Leia Mais
t1
TOPOGRAFIA COM ESTAÇÃO TOTAL E RTK – GPS EM FAZENDAS, USINAS E INDÚSTRIAS
Leia Mais
×